• Filipe da Silveira, Fisioterapeuta

Emoções como causas de doenças segundo a Medicina Chinesa


As emoções são estímulos mentais que influenciam nossa vida afetiva. Sob circunstâncias normais, não são uma causa de doença. Na verdade, as “emoções” devem ser mais adequadamente chamadas de “sentimentos” e os sentimentos são uma expressão natural da vida humana.

Quase ninguém pode evitar sentir raiva, tristeza, melancolia, preocupação ou medo em algum momento da vida. Por exemplo, a morte de um parente provoca um sentimento natural de pesar. Somente quando esses sentimentos tomam conta da nossa vida de maneira inapropriada e perturbam nossa mente e corpo, que se tornam patológicos. Quando isso acontece, os sentimentos tornam-se “estados de espírito”.

Os estados de espírito surgem precisamente quando os sentimentos são reprimidos. Por exemplo, se uma certa situação nos deixa com raiva e reconhecemos a raiva, podemos lidar com essa raiva e talvez até chegar à conclusão que parte dessa raiva era uma projeção da nossa própria “sombra” interna. Nesse caso, a raiva é um sentimento normal que provavelmente não acarretará em consequências patológicas. Mas se não conseguirmos reconhecer nossa raiva, esse sentimento será conduzido para camadas mais profundas da nossa mente e vai se transformar em um “estado de espírito” que nos domina.

Portanto, os sentimentos tornam-se tornam-se causas das doenças apenas quando são excessivas, prolongadas, reprimidas ou não reconhecidas.

Quase ninguém consegue evitar o sentimento de raiva, às vezes, mas um estado temporário de raiva não provoca nehuma doença. Entretanto, se uma pessoa fica constantemente com raiva de uma certa situação na vida durante muitos anos, ou se a raiva não é reconhecida, essa emoção vai definitivamente perturbar a Mente e o Espírito e causar doença.

Na medicina chinesa, as “emoções” como causas de doenças, são estímulos mentais que pertubam a Mente e o Espírito e, por estes, alteram o equilíbrio dos órgãos internos e a harmonia do Qi e do Sangue.

A interação mútua entre as emoções, os órgãos internos e a unidade do corpo e da mente é um dos aspectos mais importante e distintos da Medicina Chinesa. Como exemplo, um prolongado estado de raiva irá afetar o fígado e, inversamente, uma desarmonia do fígado (talvez a partir de uma dieta irregular e o excesso de trabalho, por exemplo) irá causar um desequilíbrio emocional e fazer com que a pessoa torne-se irritada. Um exemplo é o fato de que muitas pessoas se envolvem facilmente em brigas quando estão bebadas.

Veja como as “emoções” se relacionam com os órgãos segundo a medicina chinesa:

  • Raiva (frustração e ressentimento) afetam o Fígado

  • Alegria (euforia) afeta o coração

  • Preocupação afetam os Pulmões e o Baço

  • Melancolia (remoer pensamentos) afeta o Baço

  • Tristeza (mágoa, pesar) afeta os Pulmões

  • Medo afeta os Rins

  • Choque afeta os Rins e o Coração

  • Ódio afeta o Coração

  • Desejo ardente afeta o Coração

  • Culpa afeta os Rins e o Coração

­­­

Texto retirado de MACIOCIA, G. Diagnóstico na Medicina Chinesa, Um Guia Geral. São Paulo: Roca, 2005.


267 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo